Capa / Resultados da pesquisa para: contos

Resultados da pesquisa para: contos

Contos Gay – PAULINHO COM O MÃNO


oi galéra hoje eu vau relatar a todos como é bom dor o cu em familia, quem ja deo sabe como é bom cer bem novinho e morar com quem te come toda hora, nosos pais tinhão um negocio proprio e ficavão todo dia fora, meu irmão estudava a noite e ficava o dia todo em casa eu estubava a tarde, como éra de costume acim que nosos pais saiam eu coria até o quarto do meu comedor pra dar a minha bundinha pro meu pauzudo, acordave ele com uma boa mamada no pau e quando ele ia goza eu cemtava naquele pau e centia aqueles jatus quentes dentro do cu, depois da primera gozada eu ficava bem lubrificado e aquele pau de 22cm entrava até o talo com muita facilidade, toda manha éra a mesma coiza de 3 a 4 horas de muito sexo e umas 7 ou 8 gozadas. Ele ficava louco com meu…continue lendo…

CONTOS – Comendo o cu do policial truculento


Em 2005 conheci um rapaz bem mais velho que eu, dizia ter 43 anos e eu com 21 anos, nos conhemos pela internet, após dias de papo pelo MSN, decidimos nos encontrar, ele me pegou na faculdade, dizia ser casado ter filho, e ser policial civil, logo me deu um tesão d porra, pois a situação de comer um homem da lei, eu na época não era casado, apenas tinha namorada, e marcamos num local próximo a faculdade e ao chegar entrei no seu carro, e ela era do jeito que imaginei, e correspondia as fotos do MSN, branco, parrudo, forte, cara de bruto, e eu , negro, 1,80m, 75kg na época (hoje 84) de pura malhação, 20cm de pica,fomos a uma casa humilde, creio que usada apenas para ocasiões peculiares, nos despimos e começamos a nos beijar, aquele homenzarrão se derretia nos meus braços, pois pelo jeito truculento dele,sabia que tinha que me impor, dei um tapa na sua cara e falei:…continue lendo…

CONTOS ERÓTICOS GAY – Motorista negão


Meu nome é Rafael, tenho 25 anos, sou alto, tenho 1,82mts,moreno claro, corpo definido pois sempre trabalhei com serviço braçal, trabalho em uma mansão no Lago norte em Brasília,além de mim trabalham várias pessoas na mansão entre eles o Renato o motorista,un negro de 28 anos,alto, porte atlético, cabelo raspado estilo machão. Tenho meu quarto nos fundos da mansão ao lado do quarto do Renato , nessa mansão só trabalham pessoas solteiras, exigência dos patrões para que os funcionários possam viver a disposição da família. Certo dia estávamos jogando conversa fora quando Maria a cozinheira veio trazer nosso almoço, pois nós não fazíamos nossas refeições dentro da mansão, sentamos numa mesa que tem bem nos fundos da casa com cadeiras perto de uma sombra, resolvemos comer ali mesmo pois nos nossos quartos não tem mesas.Abri minha marmita e nela tinha um peito de frango, e no prato do Renato tava a parte do sobre cú da galinha. eu tirei uma brincadeira com ele:

-Peguei o peito a melhor parte, e vc o sobre cú, kkkkk.

Pra minha surpresa ele respondeu:…continue lendo…

CONTOS GAY: O encanador


Ola pessoal, depois de ler alguns contos aqui, resolvi escrever pela primeira vez e revelar a todos uma coisa louca que aconteceu comigo. Nunca tinha feito isso, serio mesmo, sempre tive uma vida sexual hetero e gosto muito de ser assim, adoro mulheres, seu cheiro, sabor, delicadeza, enfim hetero convicto, mas uma coisa vinha me acontecendo ultimamente, todas vez que vinha algum filme porno, ficava reparando na piroca dos atores e pensando o porque disso. Um dia tive um problema de encanamento aqui em casa e como não sei lidar com esse problema resolvi chamar uma pessoa que pudesse reparar o cano furado em questão. Minha mulher saiu pra trabalhar e eu disse que iria pesquisar pela internet alguem pra fazer o serviço, já que estava de ferias e com tempo pra isso. Ao pesquisar encontrei o Luiz, um cara que trabalha com esse tipo de serviço e que ao telefonar pra ele, o mesmo disse que poderia vir reparar o cano no mesmo dia e que chegando aqui ele veria o que precisava pra comprar. Quando foi la pelas 14 hs o Luiz chegou e ao recebelo no portão vi que era um rapaz novo deveria ter uns 25 anos + ou -, moreno, uns 1.80 cm e bem bonito de rosto, aquilo não sei porque me atiçou a libido e fez com que eu pensasse bobagens com ele. rsrsrsrs. Mostrei o cano furado e ele me disse que aquilo era rapido e que não precisava comprar nada, já que ele tinha as coisas pra o remendo do cano, e me perguntou onde poderia trocar de roupa, pois não queria se molhar ao retirar o cano furado. Mostrei um comodo que atualmente a porta esta tambem com defeito não fechando direito e então ele começou a tirar a roupa fincando só de cueca e então…continue lendo…

CONTOS GAY: Saradinho do MSN


Outro dia no bate papo uol, conheci um cara chamado Fernando. Trocamos MSN e começamos a conversar sobre sacanagens, ele me disse que tinha namorada e que nunca teve oportunidades de sair com um cara antes. Disse a ele que já tive experiência e que poderia iniciá-lo nisso..me falou que tinha medo de alguém descobrir e talz.. a conversa foi cessando e terminamos por falar amenidades do dia-a-dia, tipo nos conhecendo melhor, o que cada um fazia, essas coisas. Ainda conversamos durante um tempo, algumas semanas depois ele entrou no MSN e voltamos a nos falar, ele pediu que nos encontrássemos pra fazermos amizade normal, sair, conversar, tomar alguma coisa e por aí vai. Tudo bem marcamos num barzinho, lá chegando, pirei quando o vi, um moreno de praia, bem saradinho e bastante simpático… papo vai, papo vem, algumas cervejas e começamos a falar sobre sexo. Ele me contou que havia pensado muito em tentar ter a primeira experiência dele com outro homem e que resolveu me chamar pra sair com essa intenção. Eu perguntei como ele gostaria e me disse que poderíamos ir a sua casa pra ficarmos mais a vontade… quando chegamos ele pegou um vinho, botou um som e começamos a conversar, quando ele me revelou que queria ser passivo com um cara fui no céu e voltei, meu pau endureceu num segundo, um cara daquele, sarado, cara de macho, que devia fazer a alegria das meninas querendo dar o cu, nossa, foi muito louco. Eu tratei logo de…continue lendo…

CONTOS GAY: Sexo gostoso com o vigia


Bom o que vou relatar aqui aconteceu de verdade na sexta feira dia 4/5/2010 bom eu estava sem um tempo sem transar com ninguém o ultimo foi o repeteco com o entregador q havia me ligado e transamos muito gostoso, mais depois desse não havia tempo pra mais nenhuma aventura, sempre ia do trabalho pro curso, e com isso o meu tesão estava a mil , não parava de pensar em transar bem gostoso tentei ligar pro entregador mais o cel so estava fora de área, então fiquei puto sem ninguém pra ligar então fui a caça na net, isso estava planejando deste o meu trabalho q não ia pro curso, e fui pro uma lan house e tal, entrei com nick bem justificativo mesmo pra mostrar pro pessoal pra mostrar os meus objetivos mesmo, mais vo falar a verdade ninguém na sala me interessava , fiquei quase duas horas, entre salas de bate papo e outras coisas, mais durante esse tempo ninguém foi legal, sempre quanto eu estava tc com uma pessoa e achava que era legal ai vinha o balde de água fria, sempre não podia ser aquele dia e sim queria marcar pro outro dia, ow eu estava a flor da pele de tanto tesão q estava , não agüentava mais ficar quieto, tinha q transar de qualquer forma, mais nada durante um tempo já estava conformado de ter que voltar pra casa e bater uma punheta pra vê se assim eu me controlasse um pouco mais , mais antes de chegar em casa decidi q ia apé pra casa pra ver se eu me cansasse eu ia dormi, e não teria aquele tesão, todo, pra vcs ver ate que ponto cheguei nossa, estava a ponto de tomar banho de água gelada rsrsrs , mais enfim já estava conformado, voltando pra casa ape quanto passei perto de uma empresa q sempre tinha segurança, e todas as vezes que eu ia pro trabalho eu passava em frente e la tinha um vigia q sempre me olhava diferente , mais nunca ninguem nunca chegou mais do que olhar e tipo ele sempre ficava de manha então naquele horário q estava la sem chanse dele estar la, mais não sei como se diz o que era pra ser vai ser ne, e não era q ele estava deixando o serviço dele na quele horário, não sei o que me deu meu coração disparou quanto o vi, gelei todo e tal, e como faltava um pouco pra passar perto dele, eu fiquei andando de passos lentos e tal e nisso quanto ele se despediu do outro vigia subiu na bicke dele e foi descendo a rua , indo de encontro cg, nisso quanto ele me viu ele me encarou de uma tal forma , q também fiz o mesmo, mesmo depois dele ter passado por mim continuava olhando e como estava andando , parei pra ficar olhado pra ele, e lego depois disso ele parou a bicke e ficou olhando, eu também fiquei, mais fui ao encontro dele , e vou falar a verdade cada passo que dava estava mais nervoso e o meu tesão estava no limite mesmo, e tal e quanto cheguei perto dele, não sei o que me deu cumprimentei ele ele vez o mesmo, bom ele não era um deus grego mais era bem atraente devia ter seus, 36 anos ou um pouco mais, era alto de seus 1.82 branco, olhos verdes ou parecia mesmo era folhas secas, uma voz meio grave e tinha aquela barriquinha de cerveja mais era meio forte com aquela mão grande e tudo, ele sempre me olhava nos olhos e falou diretamente , me perguntou o que estava a fim, falei q o que rolasse estava legal, ele mandou subir em sua bicke q ele sabia de um lugar mais tranqüilo, me levou pro um galpão em reforma um pouco depois de sua empresa no qual ele me dizia q sempre ele ia la pra ver se estava tudo em cima ele tinha todas as chaves desse galpão e la realmente era um lugar melhor pra ficar, tinha luz, tinha uns colchões q os pedreiros usava durante a semana , bom realmente era um bom lugar, assim que chegamos nem perdemos tempo ele, já foi tirando seu cacete pra começar a chupar, nossa fui com tudo serio, parecia ser a ultima coca num deserto , ajoelhei em sua frente peguei…continue lendo…

Contos Eróticos: VIREI PUTINHO DO UROLOGISTA


Eu tinha vinte anos quando fui fazer o meu primeiro exame de próstata. Estava levantando muito da cama para mijar e o meu medico me mandou para um urologista para me examinar só por via das duvidas porque isso não costumava acontecer em caras jovens como eu.

Quando cheguei no consultório o medico mandou eu entrar e pediu para eu esperar o ultimo horário porque talvez a consulta demorasse um pouco por causa da minha pouca idade.

Ele era um cara forte de uns cinquenta anos e eu simpatizei logo com ele apesar de estar com medo, eu sabia que ele ia enfiar o dedo no meu cu e nunca tinha feito isso. Eu tenho um metro e setenta de altura e sou bem formado de corpo,com uma pica de bom tamanho e bundinha arrebitada apesar de quase não ter pelos.

Quando ele me mandou entrar na sala de consulta, falou logo pra eu tirar a roupa toda e disse pra eu não ficar nervoso, eu falei que só estava um pouco mas ele disse “eu sei quando o paciente esta nervoso quando o pau dele fica encolhido que nem o teu. Por sinal quando ele estar normal deve ser uma bela pica não?”

De fato, eu sempre fui bem dotado, meu pau tinha quase vinte centímetros e era bem grosso quando estava duro. Então ele mandou eu deitar na cama de barriga pra cima e disse “vamos relaxar um pouco senão fica difícil” então botou a mão no meu saco e ficou alisando, estava bem gostoso e eu fui sentindo o pau voltar ao normal apesar de mole. Então ele mandou eu botar os joelhos bem perto dos ombros, botou uma luva, passou creme e foi metendo o dedo no meu cu.

Ele falou “se você relaxar eu prometo que vai ate gostar, a dor é só no começo, já estou quase alcançando a próstata”, Então de repente ele parou de enfiar o dedo e começou a mexer dentro de mim, dizendo que agora ia fazer o exame pra ver se eu tinha algum problema. Ele mandou eu botar os pés na cama e ficar com as pernas bem abertas e na hora que eu fiz isso…continue lendo…

CONTOS GAY: Mamando na frente da galera


Elton me mostrava pros outros meninos na escola de uma forma muito escrota. Sempre apontava pra mim quando eu tava sentindo o cheiro da rola dele na minha mão, no meio da aula, e mostrava pra todo mundo os bilhetinhos bobos, com desenhos de florzinhas, que eu mandava, com aquelas coisas idiotas que a gente escreve quando tá fissurada, do tipo “Você vai me dar de mamar lá em casa hoje?”, ou “Vou sentir teu gosto na minha boca de tarde?”. Ele ria de mim junto com os outros, mas eu, de início, não via isso. Só sabia querer o pau dele na minha boca, essa é a verdade. E tudo o que eu via é que ele queria gozar na minha boca, e confundia isso com ele me querer, mesmo que fosse só desse jeito. Na verdade acho que fiz essa confusão quase minha vida toda.

E o pior dele me expondo daquele jeito, naquela época, é que isso tudo acontecia enquanto eu ia mudando, e me expondo mais também. Tava muito claro pra mim o que eu queria ser, e se não tivesse claro a Glorinha teria me dado essa certeza. Eu era um viadinho, uma fêmea que precisa de macho, e não tinha mais jeito, cada vez mais demonstrava isso pra todo mundo, nos meus modos de falar, de andar, de jogar os cabelos cada vez mais compridos. Não queria ser homem e não queria, nem nunca quis, ser mulher, ter buceta, essas coisas. Queria era ser comido enquanto viadinho, enquanto menino que prefere ser menina pra outros meninos. E, pra isso, o que mais me excitava era me tornar um travesti, que nem os que eu via nas revistas de carnaval, em umas raras revista pornô, e nos programas de calouros. Racionalizava que era a melhor forma de mostrar pra todo mundo qual era a minha, e de deixar os machos me procurarem, em vez de procurar um macho errado e levar uma porrada por uma furada. Mas na verdade era, e é, até hoje, o que mais me realiza.

Por essa época a Glorinha já me tinha arrumado um vibrador velhão, bem pequeno, de uns 10 centímetros, branco, de plástico duro, que funcionava ligado num fio a uma caixinha que botava na tomada. Foi a primeira coisa mais parecida com um pau que enfiei no cú, e me punhetava muito com ele. Tive por muitos anos, como lembrança, até que joguei fora numa dessas arrumações que a gente faz. Mas ainda tinha medo. Mesmo babando muito o vibrador, ele sempre doía um pouco na entrada, e mais ainda pra tirar do cú, depois que eu gozava. E eu pensava que se aquilo, que era pouco mais grosso que meu dedo, doía assim, imagina um pau como o do Elton, que era pequeno, mas que pra mim, na época, era o máximo! Lembrava do Tinoco tirando sangue do cú do Moisés, e me apavorava.

Mesmo sem dar (digo isso porque pra mim tá muito claro que caralho e foda ajudam muito a modelar o corpo feminino) meu corpo mudava. Glorinha me falava das pílulas anti-concepcionais, que me fariam bem, e eu tinha maior vontade de tomar logo. Eu já tinha os peitinhos pontudos de menino-moça um pouco gordinho, tinha belas pernas que vivia mostrando, coxas grossas e bundão, e queria me feminilizar rápido porque, por outro lado, também tinham os pelos que começavam a me infernizar. Já tinha uma sombra de bigode que comecei a tirar fazendo o buço com a Glorinha, mas tinha os pelos do suvaco e das pernas. No início passava blondor pra clarear, mas cresceram muito, e tive que começar a usar aqueles cremes brancos com cheiro de ovo podre. Com o tempo os pelos foram enfraquecendo, e hoje uso muito pouco, mas nunca deixei de usar os cremes e a santa amiga de toda Boneca, a pinça.

Achava ainda que as pílulas iam me livrar dos pelos, o que é uma bobagem, mas acreditava e Glorinha também. Mesmo assim morria de medo de comprar, e ela não comprava pra mim porque dizia que eu ainda tinha…continue lendo…

MAIS CONTOS EM: www.meninuscontos.blogspot.com

CONTOS GAY – Depois do Futvôlei

Esta é uma história real de quando eu ainda era virgem. Tenho 28 anos, sou do tipo sarado, mas não exageradamente. Moro no Rio de Janeiro, na Barra da Tijuca.

Num belo dia ensolarado aqui na Barra, fui à praia com uns amigos para jogarmos futvôlei como fazemos quase todo fim de semana. Neste dia, no entanto, uma pessoa em especial chamou minha atenção. Era o cara mais lindo que já tinha visto por ali.

Branco, 1.90m de altura, 76kg, todo sarado e bronzeado. Como sei de tantos detalhes? Já, já todos vão saber. Fiz de tudo naquele jogo para que ele me notasse, mas não percebia nenhuma reação da parte dele.

Tentei de tudo, até acertá-lo com a bola! Não sei o que me deu, mas precisava conversar com ele, saber tudo da sua vida. Foi amor à primeira vista. Depois que acabamos o jogo, por volta das 18h, fui até ele e convidei para tomar cerveja com a galera.

Ele aceitou de pronto. Chegando ao bar mais próximo, comecei a puxar assunto e descobri que ele tinha acabado de sair de um relacionamento de três anos, que foi bem atormentado. Ficamos de papo e o chamei para ir ao meu apartamento. Para a minha surpresa, ele morava na mesma quadra que eu.

Fomos para o meu apê e, ao chegar, fui direto tomar banho. Deixei a porta aberta de propósito e não deu outra:CONTINUE LENDO…

CONTOS GAY – Presente no cinema


Não é segredo para ninguém que adoro cinema. E cuecas também. E quando posso juntar os dois, então, é o máximo do prazer. Foi o que aconteceu outro dia, quando fiz 39 anos. Tenho 1,66, 58k, sou claro, cabelos e olhos negros.

Sou um pouco peludo e na maioria das vezes, estou com o saco raspado, o que aumenta o meu prazer e o de quem está comigo, pois passar a língua em um saco lisinho, pelo menos para mim, é muito bom. Mas, vamos à história.

Era uma segunda-feira e como estava de folga, tirei a tarde para ir a um bom cinemão curtir um pouco o clima de putaria e sacanagem que me dá o maior tesão. O cinema, claro, era decadente, daqueles com cheiro de mofo, com muitos velhos, operários e boys, mas também com muitos executivos e outros tipos bem interessantes.

Todos com cara de quem querem a mesma coisa: muito prazer com um outro cara. A princípio pensei que não ia rolar nada naquele dia, pois não vira ninguém que realmente despertasse meu interesse.

Já estava indo embora quando percebo um movimento estranho no meio da platéia. Era um bando de “meninas” que estava babando por um cara que batia uma punheta sem se dar conta da “audiência” que tinha à sua volta. Cheguei mais perto para ver o tal cara e tive que concordar: o homem era realmente um tesão.

Devia ter uns 35 anos, malhado, bronzeado, olhos azuis e tinha o cabelo raspado a máquina, o que lhe dava um ar agressivo eCONTINUE LENDO…